Contribuintes vencem disputa sobre Reintegra no STF

26/06/2020

Os contribuintes venceram no Supremo Tribunal Federal (STF) parte da disputa sobre o Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para Empresas Exportadoras (Reintegra). As duas turmas da Corte entenderam que as reduções, nos anos de 2015 e 2018, do benefício dado pelo governo federal para incentivar as exportações só poderiam começar a valer após o prazo de 90 dias — respeitando a chamada noventena. Falta agora definir a chamada anterioridade anual, ou seja, se as reduções estabelecidas poderiam vigorar em 2015 e 2018, anos de edição, respectivamente, dos decretos nº 8.415 e nº 9.393. O primeiro diminuiu o percentual de crédito sobre receita com exportações de 3% para 1%. O segundo, de 2% para 0,1%. O objetivo foi compensar a queda na arrecadação federal decorrente da desoneração do diesel para os caminhoneiros.

A questão deve ser definida pelo Pleno (AG. REG. no RE nº 1214919), diante da divergência entre as turmas do STF. A 1ª tem decisões contrárias à aplicação da anterioridade anual (ARE 1245252 e AG. REG. no RE 1257878). A 2ª, favoráveis (ARE 1246184 e RE 1220805).

Por ora, porém, os exportadores terão direito a três meses, em cada ano, de crédito cheio. O Reintegra foi criado em 2011 pela Lei nº 12.546 para estimular as exportações e a competividade nacional. Com o entendimento adotado pelo STF, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) editou, no fim de 2019, a nota técnica n° 55, dispensando os procuradores de apresentarem defesa ou recursos em processos sobre o assunto.

Dos cinco Tribunais Regionais Federais (TRFs), três já se posicionaram a favor das empresas em decisões de mérito, segundo levantamento realizado pelo Sigaud Advogados. São os da 3ª, 4ª e 5ª Regiões, com sedes em São Paulo, Porto Alegre e Recife, respectivamente. O TRF da 1ª Região, com sede em Brasília, já concedeu liminares a empresas.

Com uma decisão definitiva, a empresa consegue fazer administrativamente o pedido de restituição ou compensação de créditos. Contudo, as empresas que ainda discutem a anterioridade anual precisam aguardar por uma definição do Pleno do Supremo, uma vez que contribuintes e procuradoria continuam recorrendo.

Por nota, a PGFN informa que “confirmada no Plenário a tese de que a regra da anterioridade aplica-se à revogação de benefícios fiscais, com a qual a Fazenda Nacional não concorda, defende-se que não é possível aplicar a anterioridade anual às alterações do Reintegra, pois este benefício fiscal está relacionado ao PIS/Cofins, tributos que não se submetem à anterioridade geral, mas apenas à nonagesimal”.

No texto, o órgão acrescenta que “buscou demonstrar as fragilidades da aplicação do princípio da anterioridade sobre o Reintegra, uma vez que se trata de subsídio à exportação. Entretanto, ambas turmas do Supremo Tribunal Federal entenderam que as alterações promovidas no programa consistiriam em majoração indireta de tributo a atrair a regra da anterioridade. Remanesce, contudo, divergência quanto à espécie de anterioridade a ser aplicada”.

Ainda segundo a nota, “a Fazenda Nacional confia que o Supremo Tribunal Federal irá acolher seus argumentos, pois não se pode estender a anterioridade anual para um tributo sobre o qual o constituinte previu apenas a anterioridade nonagesimal”.

Fonte: Valor Econômico

Mais Conteúdo
PR-logo-white

Escritórios

Porto Alegre / RS

Av. Sen. Tarso Dutra, 605/301 - Petrópolis - 90.690-140
+55 (51) 3330-0400

São Paulo / SP

Rua Joaquim Floriano 413 / 151 - Itaim Bibi - 04.543-011
+55 (11) 3078-4109

 
 
 

© 2017 Pimentel & Rohenkohl Advogados Associados